Dependência química / Dependência digital

DEPENDÊNCIA QUÍMICA

A sindrome de dependência pode dizer respeito a uma substância psicoativa específica (álcool, fumo, medicamentos ou drogas), bem como à uma categoria de substâncias ou ainda a um conjunto vasto de substâncias farmacologicamente diferentes.

A dependência química caracteriza-se por um conjunto de fenômenos comportamentais, cognitivos e fisiológicos que se desenvolvem após o repetido consumo de uma substância psicoativa. Ocorre tipicamente um desejo recorrente e poderoso de tomar a subtância novamente, dificuldade de controlar e/ou limitar o seu consumo.

Apesar ter consequências nefastas, ocorre ainda uma maior prioridade à droga em detrimento de quaisquer outras atividades e obrigações. Pode ocorrer também um aumento da tolerância em relação substância utilizada, levando ao aumento de doses ou à combinação de outras substâncias psicoativas, com as conseqüentes síndromes de abstinência física.

TRATAMENTO

Nestes casos o tratamento deve envolver sempre o médico, de forma a controlar os sintomas das síndromes de abstinência, bem como auxiliar o paciente a conseguir tolerá-las. Existe medicação apropriada para evitar que a vontade avassaladora de consumo se manifeste ou pelo menos para que se torne controlável.

Isso em conjunto com psicoterapia, bem como a busca da reinserção social do paciente incluindo seu círculo afetivo familiar e de trabalho, pode proporcionar uma melhora gradativa dos sintomas, bem como a readaptação do paciente à vida normal.

DEPENDÊNCIA DIGITAL

Apesar de ainda não estar caracterizada oficialmente nos Manuais Diagnósticos, a dependência digital possui muitas características em comum com a dependência química e causa nos dependentes problemas dessa mesma magnitude. Entre os sintomas que caracterizam a dependência digital, podemos ressaltar:

  • Necessidade de utilização constante de celulares ou computadores;
  • Incapacidade de passar momentos do dia “desconectados”;
  • Preocupação excessiva em relação à ausência de sinal de internet, bem como a responder imediatamente a mensagens e emails;
  • Uso excessivo de aparelhos, ocasionando perda de tempo e problemas físicos: cansaço ocular, secura, dores no pescoço, insônia, etc.   
  • Sentimentos de angústia quando a pessoa está sem seus equipamentos eletrônicos
  • Raiva, depressão ou intranquilidade ao ter problemas de conexão ou dificuldades com os aparelhos, especialmente celulares.

 

TRATAMENTO

O tratamento envolve psicoterapia e em alguns casos pode requerer também medicação, dependendo do grau de dependência e da dificuldade dos pacientes em saírem desse quadro. É muito comum que a dependência se apresente combinada a outros quadros, por exemplo mascarando uma depressão ou sentimentos de falta de sentido e de vazio.

Se você reconheceu um ou mais sintomas dessa lista ou conhece alguém que você ama que está passando por isso, consulte ajuda especializada. Um psicólogo clínico sempre poderá ajudá-lo a entender as causas dos sintomas e , eventualmente, a amenizar ou livrá-lo totalmente da dependência digital.